Podemos aqui
fazer um paralelo do começo de ‘Sem Saída’ com o clássico ‘Conta Comigo’(1986),
quando vemos um grupo de adolescentes desajustados, com traços perversos em sua
personalidade. Poderíamos continuar com essa atmosfera, porém ela é
abruptamente interrompida. Começamos a nos dar conta que, na verdade, nos
encontramos em uma cidade obscura, seus residentes não são amistosos com nossos
protagonistas, nos remetendo ao perturbador ‘Sob o Domínio do Medo’(1971).
Porém, no avançar da jornada épica dos nossos queridos mártires, nos damos
conta, infelizmente, que estamos imersos no universo de ‘Violência Gratuita’(1997).
Nos seus 15 minutos finais de tortura o filme ainda nos remete à ‘Amargo Pesadelo’(1972).
Nada aqui fica em pé. Todos os pilares de humanidade da trama são demolidos a
cada minuto. James Watkins nos apresenta uma obra extremamente
perturbadora, mas não gratuita. Uma viagem sem volta ao âmago do que há de
pior na humanidade.

A trama conta
a história de um casal que resolve aproveitar um fim de semana em um lago
agradável, chamado ‘Eden Lake’. Os contornos do filme logo começam a ficar
obscuros com a apresentação dos adolescentes residentes da cidade em que o lago
se encontra. Um grupo de seis indivíduos que, logo na cena de apresentação, demonstram o perigo iminente que o casal virá a ser “contemplado”.

O filme é
protagonizado por Kelly Reilly e Michael Fassbender. Qualquer filme do gênero
ficaria extremamente satisfeito com essa dupla de protagonistas. E James
Watkins sabe aproveitar bem a presença dos dois aqui. Fassbender faz um
personagem inocente, ignorante em relação ao perigo que corre. A ignorância vem
acompanhada com castigos severos e irreversíveis que, quando se dá conta do
perigo, já é tarde demais. Não é fácil ver o ótimo ator, acostumado a papéis de
homens poderosos, viver um personagem fraco e condenado pelo acaso. Já a
personagem de Reilly é uma mulher mais consciente. Aos primeiros sinais ela já
internaliza o perigo que está correndo. Ambas as performances são ótimas.

A direção de
James Watkins não poupa o espectador de cenas extremamente violentas. São 91
minutos de tortura física nos personagens e psicológica no seu público. A
fotografia quente do filme acaba evidenciando mais as cenas, destacando o
sangue e ganhando aspectos sádicos no decorrer do longa. A edição não foge do
comum em filmes de terror. Temos aqui uma repetição de cortes tradicionais do
gênero. O roteiro, também de Watkins, é bem formulado, não ausente de clichês
característicos, mas que consegue dar novas direções à trama.
Toda a
violência empregada pelo filme acaba se justificando. Apesar das referências a
filmes clássicos, conter um elenco competente, ter uma direção consistente e
uma trama verdadeiramente horripilante, ‘Sem Saída’ não é ausente de alguns
erros comuns cometidos no gênero. Algumas situações desafiam a compreensão de
seu espectador. Entretanto, o longa acaba destoando de seus demais por não se
conter em investidas arriscadas. Um filme que deve ser visto por aqueles com
estômago e uma estrutura psicológica fortes.

Nota CI: 6,5 Nota IMDB: 6,8 

Filmografia:
SEM Saída.
Direção: James Watkins. 2008. 91 min. Título Original: Eden Lake.
CONTA Comigo. Direção: Rob Reiner. 1986. 89 min. Título Original:
Stand by Me.
AMARGO Pesadelo. Direção: John Boorman. 1972. 109 min.
Título Original: Deliverance.