‘THX 1138’ nos apresenta um futuro distópico, no qual pessoas
são controladas por medicamentos que as deixam sem emoções. A trama central se
baseia em um trabalhador que acaba por quebrar essa relação estado/pessoa,
criando dúvidas em sua cabeça e gerando problemas de natureza existencialista.

Robert Duvall aqui é o protagonista, tendo uma atuação
competente, porém comum. Contamos também com a presença Donald
Pleasence (Consagrado nos filmes da série ‘Halloween’), nos entregando uma
performance comum. O diretor George Lucas realiza aqui um filme limitado,
passando-se, quase que por completo, em determinados locais da empresa central da trama. Essa decisão do filme se deve claramente a uma questão orçamental, nos
privando do que acontece fora do lugar e, quando arrisca sair do ambiente, somos
inundados com efeitos toscos que acabam por comprometer um pouco a experiência.

 Um fator que se sobressai é a fotografia bem-feita.
Utilizando-se do tom branco, ela nos dá a sensação, em determinadas cenas, de
imensidão. Não conseguimos localizar uma parede, um chão ou o teto, o que nos
causa uma sensação de paranoia, denotando aqui a grande virtude do filme.
O filme é curto, tendo apenas 88 minutos de duração, não
conseguindo empolgar o espectador em momento algum. As cenas de ação soam meio
travadas, não atingindo seu objetivo. O fator dos seres humanos serem
controlados por medicamentos do roteiro não consegue atingir todo seu
potencial (talvez por conta da duração do filme), deixando lacunas na trama. Esses problemas evidenciam a causa de ‘THX 1138’ não ser lembrado em momento
algum quando pensamos em um filme sci-fi. Apesar de alguns aspectos positivos,
‘THX 1138’ define-se como um filme regular, com uma direção esforçada e um roteiro superficial demais para o tema abordado.

Nota CI: 6,3 Nota IMDB: 6,8 

Filmografia:
THX 1138. Direção: George Lucas. 1971. 88 min.
HALLOWEEN. Direção: John Carpenter. 1978. 91 min.