Aproveitando-se dos elementos clássicos da série de filmes
do famoso agente, ‘O Espião Que Me Amava’ consegue entregar ao espectador um
filme decente. Lewis Gilbert dá ao espectador uma direção mais responsável, sem
aqueles excessos característicos dos anteriores. Não espere ver aqui cenas mal
feitas e absurdas.
A trama não foge do modelo clássico dos filmes ‘007’. Nada
muda. Já no início somos presenteados com a melhor cena do filme. Temos uma
perseguição sobre esquis entre James Bond e seus rivais, sedentos por sangue.
Temos aqui uma versão na neve da cena mais icônica de ‘Bullit’(1968). Vários
ângulos de cena diferentes, aproveitando ao máximo o que o ambiente tem a
oferecer, aproveitando-se, também, de ótimos dublês.
Infelizmente, após a cena, o filme acaba caindo no comum,
ficando preso a perseguições de carros e cenas de lutas quase patéticas. Roger
Moore estrela mais uma vez a série. Já habituado ao personagem, consegue guiar
o filme. 
O grande diferencial aqui, que faz com que este filme seja
melhor do que seus seis antecessores(sendo derrotado apenas pelos três
primeiros), são suas cenas de ação. Nada aqui é espetacular, mas pelo simples
fato de não recorrer a “engenhocas” absurdas e vilões caricatos, já é um avanço
significativo.
‘007 – O Espião Que Me Amava’ não é um bom filme, porém
agrada aos admiradores da série 007. Com um protagonista à vontade e um diretor
com experiência anterior na série, fica difícil errar a mão. Ponto negativo
apenas para a péssima música tema. Sem dúvidas a pior da saga até este filme.
Nota CI: 6,2 Nota IMDB: 7,1
Filmografia:
007 – O Espião Que Me Amava. Direção: Lewis Gilbert. 1977.
125 min. Título Original: The Spy Who Loved Me.
BULLIT. Direção: Peter Yates. 1968. 114 min.