Utilizando
elementos já conhecidos do espectador no gênero da comédia, ‘Clockwise’
consegue por vários momentos flertar com um estilo divertido para contar sua
história. Porém, acaba perdendo a força em determinada parte do filme, acabando
por recorrer a clichês vazios e sem empolgação. Um filme que ainda traz o
excelente John Cleese como seu protagonista.
O filme conta
a história de um diretor de uma importante escola de sua cidade que nutre uma
obsessão pela pontualidade em sua rotina. O homem tem exatamente tudo que irá fazer
em seu dia registrado, seja em uma agenda ou em sua própria cabeça, jamais se
permitindo o atraso. Obviamente, o homem posterga esse legado a todos os seus
alunos, exigindo que os mesmos se policiem para não cometer atrasos.
A trama do
filme ganhará força quando o diretor é convidado para assumir um importante
cargo e tem que se encaminhar até uma cidade vizinha, Norwich, para fazer o
discurso mais importante de sua vida. A caminho do discurso, o homem acaba
pegando o trem errado, se iniciando neste ponto o desmembramento de inúmeras
confusões em seu trajeto.

Todo aquele
começo do filme, desenvolvendo o caráter paranoico do personagem, funciona
muito bem. O clima escolar, sua relação com os alunos e o modo que estes o veem
acabam por ditar o ritmo divertido do filme. Apesar das situações emanadas a
cada momento cômico já serem completamente conhecidas do espectador, a virtude
do filme aqui é a de mostrar isso de uma maneira diferente. Muito desse ritmo
diferente foi aproveitado com excelência dois anos depois em ‘Um Peixe Chamado
Wanda’(1988).
Infelizmente
a qualidade do filme vai caindo gradativamente. Conforme a aura do filme começa
a tomar uma forma ‘’Road Movie’’, já é possível notar as primeiras exacerbações
em piadas e no humor físico. Tudo começa por ficar forçado demais, utilizando
piadas prontas e situações que o espectador já sabe seu desfecho antes mesmo de
elas começarem. O que atenua tudo isso é o modo como o humor britânico acaba
sendo concebido mais na formação do sarcasmo. Essa combinação entre a ironia
utilizada pelos personagens e o rosto comum à comédia do protagonista ajudam
muito na sensação de imersão ao filme.

A presença de
John Cleese aqui é essencial para que o filme alce voos maiores. O ator está
incrível como o diretor do colégio. Seu modo de pontuar cada fala, despejando
uma expressão cheia de uma espécie de enojamento às situações que lhe são
impostas, é incrível. O resto do elenco acaba não conseguindo acompanhar o
ritmo de Cleese, mas também passam longe de estarem mal no filme.
A direção de Christopher Morahan é regular no filme. Morahan faz um belo trabalho no começo do filme,
sempre prezando pela escolha de mostrar planos fechados em relógios durante
cada cena, evidenciando o conceito paranoico que permeia a personalidade do
diretor. No decorrer do filme, os grandes momentos de Morahan ficam por conta
das sequências de perseguições, conseguindo belas cenas que acabam divertindo
bastante.
Apesar da
falta de consistência em seu ritmo, ‘Clockwise’ é um filme de comédia que vale
o tempo investido. É a chance de ver um olhar diferente em boa parte do filme
nos clichês que consomem o gênero. Além de ser mais uma oportunidade de ver o
fantástico John Cleese em um personagem que o ator trata por deixá-lo único.
Nota CI: 6,5 Nota IMDB: 6,6
Filmografia:
CLOCKWISE.
Direção: Christopher Morahan. 1986. 96 min.
UM Peixe
Chamado Wanda. Direção: Charles Crichton. 1988. 108 min. Título Original: A Fish Called Wanda.