Utilizando
elementos tradicionais do cinema coreano do século XXI, ‘The Face Reader’ não
tem onde errar. A boa direção e a linda fotografia dão o tom deste suspense com
contornos dramáticos.
A trama gira
em torno de um especialista em leituras faciais. O personagem consegue,
simplesmente analisando o rosto das pessoas, informações precisas sobre a
personalidade e motivações dos indivíduos. A narrativa vai se desenvolver
depois que ele é contratado por outra influente leitora de faces e acaba se
envolvendo em um conflito de poder.
No filme
estão inseridos as habituais características dos filmes coreanos. Apesar da
natureza de mistério da trama, não escapamos de inúmeras cenas cômicas,
variando entre bebedeiras e piadas escatológicas. Uma das grandes virtudes do
filme encontra-se neste ponto, quando consegue humanizar seus protagonistas,
sendo estes expostos a erros comuns da nossa natureza.

Aqui, diferente
de outros filmes com temáticas semelhantes, como ‘O Grande Truque’(2006) e ‘O
Hipnotista’(2012), os personagens que fazem as leituras faciais não ganham
contornos sobrenaturais. Seus papéis são unicamente o de bons profissionais da
área. Não teremos em ‘The Face Reader’ indivíduos olhando no rosto de
determinadas pessoas e conhecendo toda sua vida, seu passado e futuro, acima do
bem e do mal. Não, aqui tudo é factível dentro do possível.
O elenco
conta com nomes respeitados do cinema coreano, como Kang-ho Song, Jung-jae Lee e Hye-su Kim, que exercem o papel de seus personagens com extrema
destreza. O destaque do filme é, como sempre, para a performance de Kang-ho
Song. Song consegue dar substância ao seu personagem, passando ao espectador um
homem com um talento que o faz especial para aquele vilarejo, mas que se revela
ignorante. Seu conhecimento é limitado, fazendo o personagem ficar exposto aos
golpes das pessoas a sua volta.

Em seu
terceiro longa-metragem, Jae-rim Han faz um trabalho surpreendente a frente da direção. Han acerta ao
priorizar as expressões faciais dos atores, dando liberdade para que estes
consigam atuar com todo o seu arsenal. Entretanto, podemos afirmar com
segurança que o maior acerto do filme é a sua fotografia. Nak-seon Go
utiliza toda a natureza disponível para nos propiciar cenas lindas, explorando
todo o verde disponível a seu favor. Em alguns momentos traz a lembrança o
excelente trabalho feito por Dion Beebe em
‘Memórias de Uma Gueixa’(2005). O ponto negativo do trabalho de Go talvez fique
para as cenas noturnas do filme, mudando completamente a estética.
Talvez a obra
não se caracterize como, de fato, um bom filme, mas ela sem dúvida traz algo
novo de um país que, a cada ano, entrega mais filmes de qualidade para a
indústria cinematográfica. Não sei se Jae-rim Han futuramente vai se tornar um Chan-wook Park, mas seu trabalho não é dispensável. ‘The Face Reader’ sem dúvida
merece uma atenção especial pelo simples fato de fugir dos habituais clichês de
filmes com essa temática. E o fato de ainda trazer Kang-ho Song como
protagonista, somente aumenta os motivos para assistir ao filme.
Nota CI: 6,3 Nota IMDB: 6,8
Filmografia:
FACE Reader,
The. Direção: Jae-rim Han. 2013. 142 min. Título Original: Gwansang.
HIPNOTISTA,
O. Direção: Lasse Hallström. 2012. 122 min. Título Original:
Hypnotisören.
GRANDE
Truque, O. Direção: Christopher Nolan. 2006. 130 min. Título Original: The
Prestige.
MEMÓRIAS de
Uma Gueixa. Direção: Rob Marshall. 2005. 145 min. Título Original: Memoirs of a Geisha.