Trouxemos, neste Top10, filmes que fazem o espectador refletir sobre vários conceitos de sua vida. Procuramos listar obras que, independente de sua visão otimista ou não, deixam sempre um questionamento no ar sobre tudo que foi mostrado. Os filmes vão debater temas como: vida em sociedade, a certeza da mortelutonegação do luto, o conceito do sofrimento como algo necessário ao ser humano, hábitos cotidianos e a vida em família.


10º – Viver (Akira Kurosawa, 1952)

Um homem inserido em uma rotina insossa de trabalhos burocráticos recebe a triste notícia de que está com um quadro terminal de câncer. Aqui, no entanto, a condenação serve como liberdade para o homem. O personagem descobre o quanto havia desperdiçado seus momentos no mundo com banalidades e decide tentar aproveitar o tempo que lhe resta. ‘Viver’ traz ao espectador um estado de reflexão sobre os trajetos escolhidos para suas vidas, nos deixando em dúvida sobre o que construímos e o que, de fato, aproveitamos.

 

9º – Alabama Monroe (Felix van Groeningen, 2012)

Quando um casal apaixonado descobre que sua filha pequena está com câncer, todas as bases de suas construções sociais, físicas e psicológicas passam por um processo de degeneração. Extremamente emocionante, ‘Alabama Monroe’ trabalha o conceito de tragédia na vida do ser humano, destrinchando dores, perdas e eventuais aspectos para uma possível redenção.

 

8º – Alpes (Yorgos Lanthimos, 2011)

Um grupo de pessoas acha sua forma de ganhar a vida se encaixando em famílias de luto, interpretando a pessoa que recentemente faleceu. A premissa estranha define bem o que o filme oferece ao seu espectador. Tudo aqui é doloroso, assustador e emite um estado de reflexão no espectador. ‘Alpes’ nos faz pensar sobre o processo da perda, como nossas vidas são, muitas vezes, substanciadas por hábitos e ainda pondera sobre a flexibilidade do ser humano.

 

7º – Paris, Texas (Wim Wenders, 1984)

Após passar vários anos desaparecido, Travis, repentinamente, surge andando completamente desorientado por um deserto. O filme passará as suas mais de 2 horas de duração esmiuçando as motivações de Travis para sumir por tantos anos, sua nova conexão com seus familiares e seu papel paterno aflorar com o tempo. ‘Paris, Texas’ é um filme, em sua síntese, sobre todos os aspectos da vida. Aqui veremos como o tempo nos deixa marcas incuráveis, sejam elas positivas ou negativas, e como determinados vínculos jamais podem ser rompidos. Leia Nossa Crítica do Filme!

 

6º – O Quinto Selo (Zoltán Fábri, 1976)

Budapeste, 1944. Quatro homens bebem tranquilamente em um bar, refletindo sobre aspectos cotidianos, quando um homem adentra o local e lhes propõe uma pergunta que mudará a vida de todos. Pérola perdida no cinema, ‘O Quinto Selo’ faz o espectador desconstruir todas as suas bases morais e éticas, levando-o a questionar o sentido escolhido para guiar sua jornada pela vida. Um filme bastante provocador que necessita de uma atenção a mais de quem o assiste.

 

5º – A Vida é Doce (Mike Leigh, 1990)

Um casal e suas duas filhas adolescentes possuem uma vida tranquila e prazerosa no subúrbio do norte de Londres. Aqui passaremos algumas semanas seguindo o cotidiano dessa família, as dificuldades financeiras e seus conflitos internos. O que, no entanto, surpreende no filme são suas reviravoltas no meio da trama. Descobriremos que, aquilo que parecia perfeito e intocável, era, na verdade, apenas uma máscara vestida para suas vidas sociais. Internamente o que vemos é uma luta incessante para preservar o que sobrou da essência da família. O filme trabalha por chocar o espectador em algumas cenas específicas para solidificar o conceito de uma vida irretocável e perfeita, como tentamos muitas vezes transmitir ao âmbito social, simplesmente não existe.

 

4º – Sorte Cega (Krzysztof Kieslowski, 1987)

Contando a variação de três histórias da vida de um mesmo homem em virtude do sucesso na tentativa de pegar um trem, ‘Sorte Cega’ estuda o quanto realmente temos controle de nossas vidas. Aqui teremos desmembrado o conceito de acaso e uma provocação final sobre a noção de predestinação. Um filme que levanta muitas dúvidas até seu espectador, sem, no entanto, trazer resposta alguma.

 

3º – Amnésia (Christopher Nolan, 2000)

Após sua esposa ser brutalmente assassinada, um homem procura de todas as formas encontrar o responsável por sua morte, tendo como obstáculo o fato de ter um problema que o faz poder utilizar somente sua memória de curto prazo. O filme faz o espectador repensar sobre as construções de suas vidas e sobre o sentido que este dá para o seu dia a dia.

 

2º – Irreversível (Gaspar Noé, 2002)

Um homem procura o responsável por espancar brutalmente e estuprar sua namorada, iniciando uma jornada autodestrutiva que consumirá sua liberdade. ‘Irreversível’ é um filme sobre a crueldade do tempo e do acaso. Aqui temos a possibilidade de questionar a natureza humana, suas inconsistências e sua forma errática de agir sobre o mundo.

 

1º – O Cavalo de Turim (Béla Tarr, 2011)

Guiado inteiramente pelo conceito nietzschiano do eterno retorno, ‘O Cavalo de Turim’ é um filme sobre o tempo e sua essência implacável. Somos inundados com a repetição incessante da vida de duas pessoas. Suas rotinas e hábitos são desmembrados, fazendo o espectador refletir sobre a própria forma de consumar suas relações diárias com o âmbito social.