Top10: Dez Filmes Para Conhecer o Cinema de Roman Polanski

Notabilizando-se como um dos grandes nomes da história do cinema, Roman Polanski tem em sua filmografia a direção de mais de vinte filmes. Dono de uma trajetória polêmica na sétima arte, o cineasta gosta de trabalhar em suas obras com diversos conceitos pontuais, como, por exemplo, sexualidade, traição e a construção de identidade no ser humano. Neste Top10, listamos dez filmes incríveis do cineasta que merecem ser vistos, procurando pelo que há de melhor dentro de sua filmografia fascinante.

 

10º – Busca Frenética (Roman Polanski, 1988)

Viajando a Paris para uma conferência de negócios, o Dr. Richard Walker vê sua vida ser transformada quando sua esposa desaparece misteriosamente de seu quarto de hotel. Walker empreenderá uma caçada desesperada pela descoberta do que aconteceu com sua esposa e se envolverá em um jogo de enganações muito maior do que se aparentava outrora. Dinâmico e surpreendente em seus caminhos, ‘Busca Frenética’ é um filme permeado de nuances, que conta ainda com a atuação intensa de Harrison Ford no comando da obra.

 

9º – O Inquilino (Roman Polanski, 1976)

Um homem aluga um apartamento de uma mulher que cometera uma tentativa de suicídio. Envolto em uma cadeia de estranheza e paranoia, o homem enxergará sua vida adentrar em um processo degenerativo inexorável. ‘O Inquilino’, protagonizado pelo próprio Polanski, conta com uma trama densa, um tanto quanto bizarra e cheia de reviravoltas.

 

8º – A Morte e a Donzela (Roman Polanski, 1994)

Uma ativista política de um país sul-americano, por uma mera jogada do acaso, acaba por ficar frente a frente com um homem que, possivelmente, lhe torturara anos antes a mando do governo local. Nutrindo uma trama irresistível, ‘A Morte e a Donzela’ se restringe quase que unicamente a um local para reger sua história, elevando uma aura de loucura e incertezas acerca dos atos de seus personagens. Mostrando toda a essência errática contida no ser humano, o filme ainda nos entrega uma atuação soberba de Sigourney Weaver à frente da protagonista.

 

7º – O Pianista (Roman Polanski, 2002)

Baseado no livro de Wladyslaw Szpilman, a trama traz a história de um pianista judeu na sua luta pela vida em meio à Segunda Guerra Mundial. Expondo uma história triste em todos os seus desnivelamentos, ‘O Pianista’ trabalha sobre o conceito de perseverança intrínseco ao protagonista. Aqui, Roman Polanski conduz um trabalho de direção impecável, evidenciando a síntese do horror promulgado pelo ser humano no período histórico mais exacerbado do século XX.

 

6º – A Pele de Vênus (Roman Polanski, 2013)

O filme se concentra em um dia chuvoso de um teste para uma peça de teatro. Atrasada para o teste, uma mulher tenta convencer o diretor da peça, e único integrante de produção restante no lugar, que ela pode interpretar a personagem central. Após essa premissa, entraremos em um jogo de enganação, obsessão e de exacerbação da sexualidade feminina. Roman Polanski nos proporciona em ‘A Pele de Vênus’ um filme limitado a um único ambiente, deixando para seu elenco produtivo e seu roteiro dinâmico toda a substância da obra.

 

5º – O Escritor Fantasma (Roman Polanski, 2010)

Um escritor fantasma, incumbido da missão de escrever uma biografia de um ex-primeiro ministro inglês, acaba se envolvendo em um jogo de enganações quando acaba descobrindo coisas que deveriam ficar escondidas. ‘O Escritor Fantasma’, filme subestimado na filmografia de Polanski, é o que há de melhor dentro do gênero de suspense. O filme alavanca uma atmosfera de mistério única, que age por dar dinamicidade a todos os elementos contidos na trama.

 

4º – Lua de Fel (Roman Polanski, 1992)

Concentrada em um cruzeiro de férias, a trama do filme se divide em duas instâncias: uma no presente, com um estranho e debilitado homem contando fragmentos passados de sua vida, e, o outro, já expondo esses fragmentos de vida do homem. Impecável do começo ao fim, ‘Lua de Fel’ apresenta os conceitos que Roman Polanski adora explorar em seus filmes, como o conceito de obsessão, traição, sexualidade e os tradicionais ‘plot twists’ de suas histórias.

 

3º – Chinatown (Roman Polanski, 1974)

Um detetive particular contratado por uma família rica acaba descobrindo segredos que iriam transcender o que ele investigava a priori. Elevando uma aura noir, ‘Chinatown’ possui um ritmo cadenciado, explorando cada nuance da investigação empreendida por seu personagem central.

 

2º – Repulsa ao Sexo (Roman Polanski, 1965)

O filme expõe a derrocada à loucura de uma jovem sexualmente reprimida por seu aparato psicológico. Flertando entre os gêneros de drama e horror, ‘Repulsa ao Sexo’ é uma viagem tortuosa à psique de sua personagem principal.

 

1º – O Bebê de Rosemary (Roman Polanski, 1968)

Um casal se muda para um aprazível e tranquilo apartamento, esperando construir no local seus passos futuros. No entanto, a aparição de estranhos vizinhos e a descoberta de uma gravidez trará contornos cruéis à vida do casal. Obra-prima da década de 1960, ‘O Bebê de Rosemary’ é um dos maiores filmes do gênero de horror já concebidos. Sua atmosfera única, o clima de paranoia emanado a cada cena ultrapassada e o desenrolar da trama tornam esta obra uma pérola do cinema de Roman Polanski.

Compartilhe com seus amigos:

Renato Rodrigues

Estudante de psicologia e, o mais importante, apaixonado por cinema. Tenho como diretores favoritos Ingmar Bergman, Michael Haneke, Woody Allen e Martin Scorsese.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *