Crítica: ‘O Reencontro’(1983), de Lawrence Kasdan

 

Lawrence
Kasdan opta por trazer, em seu primeiro filme a frente da direção, uma obra
leve e sensível sobre a vida em seus mais diversos âmbitos. Tratando de temas
como a morte, por exemplo, de uma forma sutil, aproveitando de sua trilha sonora
recheada de clássicos e um elenco fenomenal.
A trama do
filme contada é a de um grupo de vários amigos dos tempos de faculdade que se
reúne depois que um membro do grupo comete suicídio. O reencontro do grupo
acontece primeiro durante o funeral do tal amigo e, após isto, em uma casa de
um deles durante um final de semana. Durante este final de semana veremos
sentimentos aflorarem, velhos fantasmas do passado vindo à tona e várias histórias
de vida dos personagens ali inseridos.
O grupo tenta
desvendar as causas do que levara seu amigo a cometer o suicídio. Veremos os
personagens trabalhando o processo de luto, cada um de sua forma, de uma
maneira contínua. Uns tinham mais empatia pelo morto, outros já eram mais
distantes, no entanto todos nutriam um sentimento de carinho pelo indivíduo,
assim como por todos ali. A figura da morte presente no lugar e o processo de
luto é apenas uma das camadas do longa. Aqui temos indivíduos que se fizeram
pessoas juntos, mas que em algum momento de suas vidas acabaram se afastando
uns dos outros.  Temos presentes nos
personagens sentimentos de nostalgia, raiva, alívio e dúvida. Cada um dos
personagens encara de forma diferente o reencontro do final de semana.

 

O maior
acerto do filme é não revelar mais que o necessário sobre a natureza de cada
personagem. Conhecemos cada um o máximo que poderíamos em um único final de
semana, de uma maneira um tanto quanto superficial, como se estivéssemos
presentes juntos com os personagens naquela casa, lembrando muito a atmosfera
presente em ‘Setembro’(1987), de Woody Allen. Temos apenas um esboço do que
leva determinados personagens a agirem da forma que o fazem.
A direção de
Lawrence Kasdan é muito boa, sabendo explorar o ambiente quase que exclusivo
onde o filme se passa, utilizando cada objeto ali presente para dar uma tom
uniforme ao filme. Kasdan também trabalha muito bem com a trilha sonora,
distribuindo pelo longa diversas músicas consagradas que ajudam a digerir o
conteúdo que se está sendo passado.

 

O roteiro do
filme é escrito também por Kasdan, em parceria com Barbara Benedek. E, seguindo a linha de qualidade de sua direção, entrega um roteiro ótimo.
Acabamos por nos identificar com todos os personagens contidos na história. Os
diálogos são sempre simples, porém cheios de significados intrínsecos.
A parte de
destaque do filme sem dúvida é seu elenco. Temos aqui a presença de Tom Berenger, William Hurt, Kevin Kline, Glenn Close e Jeff Goldblum engrandecendo o filme. Todos muito bem no filme, distribuindo uma
química padrão, onde todos parecem muito a vontade para contracenar com as
peças presentes ali.
‘O
Reencontro’ é um filme único, conseguindo abordar temas complexos como morte,
traição e drogas de uma forma palatável. A escolha por atribuir à atmosfera do
filme uma trilha sonora com músicas memoráveis somente contribui para seu
sucesso. Ainda temos a junção de um diretor extremamente competente, em seu
início a frente da direção de filmes, com um elenco de alto nível.
Nota CI: 7,0 Nota IMDB: 7,2
Filmografia:
REENCONTRO,
O. Direção: Lawrence Kasdan. 1983. 105 min. Título Original: The Big Chill.
SETEMBRO.
Direção: Woody Allen. 1987. 82 min. Título Original: September.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *