Top10: Dez Filmes Que Mostram o Impacto de Decisões Erradas em Nossas Vidas

7º – Crime e Castigo (Aki Kaurismäki, 1983)Baseado em um romance de Fyodor Dostoevsky, o filme traz a história de um trabalhador comum que decide, sem motivações aparentes, assassinar um homem rico. O filme ganha a sua substância ao explorar os eventos após tal ato, mostrando os dilemas existenciais do homem, sua relação com uma testemunha que presenciou o assassinato e a figura da vida em suas raízes mais viscerais. Obra mais séria da fantástica filmografia do finlandês Aki Kaurismaki, ‘Crime e Castigo’ explicita o caráter imprevisível do ser humano, ponderando sobre o tempo, o peso do passado, a ausência do presente e a aversão ao futuro.

 

6º – A Morte de um Caixeiro-Viajante (Volker Schlöndorff, 1985)Um homem, já se encaminhando para a terceira idade, enfrenta dilemas existenciais quando um de seus filhos adultos retorna à sua casa. Sua vida profissional e privada sofrerão com seu declínio emocional e físico, tendo sempre como ponto de partida para tudo a figura cruel de seus atos no passado. ‘A Morte de um Caixeiro-Viajante’ é uma pérola pouco reverenciada da década de 1980. Sua trama ácida sobre os meandros tristes de uma família ponderam sobre as construções morais inerentes a uma sociedade, oferecendo uma crítica a uma visão conservadora e tradicional de vida. O filme ainda nos entrega uma atuação irretocável do ator Dustin Hoffman e uma das maiores da carreira de John Malkovich.

 

5º – Manchester à Beira-Mar (Kenneth Lonergan, 2016)Após a morte de seu irmão, um homem, envolto a uma rotina autodestrutiva e depressiva, é incumbido da missão de tomar conta de seu sobrinho adolescente. No entanto, pouco a pouco, com diversos fragmentos do passado de todos os personagens, veremos o porquê do homem se encontrar no seu estado atual. ‘Manchester à Beira-Mar’ é um filme belíssimo, mas que não oferece pontos positivos ao seu espectador acerca das vidas estudadas na trama.

 

4º – Caché (Michael Haneke, 2005)Após ser ameaçado por uma série de fitas de vídeo anônimas deixadas em sua porta, mostrando uma espionagem de seu dia a dia, um casal vê sua vida social e privada entrar em um processo degenerativo inexorável. Seu diretor, Michael Haneke, se utiliza bastante de elementos do passado dos personagens, evidenciando como algumas estruturas de nossas vidas simplesmente não podem ser esquecidas.

Continua na Próxima Página

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *