50 Filmes de 10 Grandes Diretores Que Vão Fazer Você Amar Ainda Mais o Cinema

30º – Código Desconhecido (Michael Haneke, 2000)Na trama, veremos inúmeros fragmentos das vidas de personagens distintos, tendo como única ligação um incidente relacionado ao preconceito social. Pertencente ao cinema visceral do austríaco Michael Haneke, ‘Código Desconhecido’ nos oferece um estudo acerca dos meandros patológicos que permeiam o modelo de uma sociedade ocidental moderna se comportar. Um filme duro, assim como como toda a espetacular filmografia do diretor, que nos relata um mundo acometido por um processo degenerativo inexorável.

 

29º – 71 Fragmentos de uma Cronologia do Acaso (Michael Haneke, 1994)A obra traz diversos fragmentos das vidas de pessoas diferentes, aparentemente não conectadas entre si, antes de um acontecimento trágico. Suas rotinas e hábitos são destrinchadas para o espectador, mostrando a substância de suas existências. Tudo aqui é exposto de uma forma crua e sem a menor preocupação em deixar o filme aprazível por parte de seu diretor ao público. E isso somente deixa a experiência de assistir ao filme mais marcante. Um filme que nos propõe vários questionamentos, mas que não distribui nenhuma resposta.

 

28º – A Fita Branca (Michael Haneke, 2009)Ganhando forma em um pequeno vilarejo alemão, pouco antes da eclosão da 1ª Guerra Mundial, a história mostra a tentativa dos residentes do local de descobrir os responsáveis por estranhos e cruéis atos. Dirigido por Michael Haneke, ‘A Fita Branca’ parte de uma premissa individualista, esboçando uma figura do mal que se insere em um único indivíduo, para um ponto de vista coletivo, aterrador, denunciando o mal como algo intrínseco à nossa origem. Um grande filme, que, no entanto, cobra muito psicologicamente de seu espectador.

 

27º – O Sétimo Continente (Michael Haneke, 1989)Acompanharemos o dia a dia normal de uma família europeia composta por um casal e sua filha pequena. O filme ganha a sua substância ao trazer o compêndio vazio ao qual a família está inserida, com rotinas cada vez mais insossas e maçantes, levando-os a planejar um ato extremo. Um dos filmes mais inteligentes e contundentes ao falar do arco destrutivo de uma sociedade tradicional contemporânea, ‘O Sétimo Continente’ é uma viagem sem volta ao âmago humano no mundo. O mais assustador que é explicitado em cada cena é que o filme jamais pondera sobre possíveis soluções para o que estamos vendo. Muito pelo contrário, somente eleva perspectivas assustadoras. Assista preparado a esta obra-prima do austríaco Michael Haneke, pois você jamais encarará a vida da mesma forma após a sua exibição.

 

26º – A Professora de Piano (Michael Haneke, 2001)Haneke entrega ao espectador as nuances do conceito de perversão inserido na personagem de Erika, uma professora de piano de sucesso e de uma vida social aparentemente impecável. Bom, isso é o que Erika mantém na superfície. O filme, de mais de 2 horas de duração, explorará cada minuto para mostrar o processo degenerativo ao qual Erika é submetida.

Continua na Próxima Página