50 Filmes Que Toda Pessoa Deveria Assistir Antes de Entrar na Faculdade

35º – Nu (Mike Leigh, 1993)Simples em sua proposta, a trama expõe as figuras de dois homens jovens em suas jornadas erráticas no mundo. Destrincharemos o modo que os homens tratam o aparato social, repelindo qualquer forma de intercâmbio comum com outros indivíduos. ‘Nu’ é um hino niilista sobre indivíduos incapazes de obter prazer em suas investidas no mundo, e, quando alcançam espectros disso, só é possível lesando outras pessoas. Apesar de trazer dois personagens com características semelhantes, o foco da história será sempre no chamado de Johnny, e é ele que faz com o filme tenha seu lugar nesta lista.

 

34º – O Homem Irracional (Woody Allen, 2015)Um professor de meia-idade, envolto a uma rotina vazia e vivendo uma crise existencial severa, acaba vendo sua vida sofrer uma alteração após iniciar um relacionamento com uma aluna. Tudo fica ainda melhor para o homem quando ele decide romper com as regras morais de sua vida, arquitetando um plano que dará substância ao seu dia a dia. Dirigido por Woody Allen, ‘O Homem Irracional’ explora um âmbito mais podre do arco subjetivo humano, elevando a figura da loucura em determinados pontos e questionando o espectador sobre a eventual importância da noção de regras para uma vida de qualidade em uma sociedade.

 

33º – A Experiência (Oliver Hirschbiegel, 2001)Na trama, vários indivíduos são colocados em uma prisão para participar de um experimento social. Lá, eles terão que conviver algumas semanas, dividindo-se em dois grupos, um formado por prisioneiros e o outro por guardas. O problema é que, após algum tempo, as coisas começam a fugir ao controle, colocando em risco a vida de todos. Oriundo do cinema alemão, ‘A Experiência’ explicita um pouco do cerne podre que compreende a existência humana. Aqui, veremos como somos impactados por uma simples alcunha social e como agimos em função disso. Obra perturbadora, mas que, sem dúvidas, merece o tempo investido pelo fã da sétima arte.

 

32º – Cada um Vive Como Quer (Bob Rafelson, 1970)Acompanharemos o cotidiano de um jovem pertencente a uma família de classe alta que decidiu deixar tudo para trás e viver uma vida comum. Suas angústias, dilemas, seu modelo exacerbado de lidar com o aparato humano, suas amizades, seu relacionamento turbulento com sua namorada e sua visão sobre o trabalho são destrinchadas pelo filme durante os 98 minutos de projeção. Pérola do ano de 1970, ‘Cada um Vive Como Quer’ explicita como cada sujeito possui sua camada subjetiva bastante evidente que impede que aquela visão tradicional sobre a vida seja única e inalterável. A obra ainda expõe como poucas os dramas existenciais de um homem completamente sem rumo no mundo, e que sofre por essa falta de sentido. Seu final ousado, sem deixar de trabalhar com toda a aura de suavidade regida durante todo o resto da obra, coroa e faz que esta opção chegue bem próxima da alcunha de obra-prima. Ah, e como se tudo isso não fosse o bastante, ainda possuímos Jack Nicholson como protagonista em uma atuação comovente e extremamente visceral.

 

31º – Na Natureza Selvagem (Sean Penn, 2007)Um jovem resolve abandonar as escolhas tradicionais de sua vida, deixando tudo para trás e iniciando uma jornada pela natureza. ‘Na Natureza Selvagem’ expande nossa visão de vida, mostrando formas diferentes de se construir nossas jornadas no mundo. Um filme doce em suas investidas, nutrindo momentos alegres e tristes.

Continua na Próxima Página