Top10: Dez Filmes Completamente Loucos Que Vão Sacudir a Sua Mente

7º – Anticristo (Lars von Trier, 2009)Após seu filho pequeno morrer em uma tragédia doméstica, um casal decide se refugiar em uma cabana isolada para tentar reconstruir instâncias destruídas. Dirigido pelo dinamarquês Lars Von Trier, ‘Anticristo’ trabalha a cada cena para tentar perturbar seu espectador. Teremos as mais diversas formas de absurdos contidos no filme, desde cenas de sexo explícito até uma tentativa de castração. Vale dizer que o filme é uma boa opção e seus exageros se fazem válidos por sua proposta central.

 

6º – Corra! (Jordan Peele, 2017)Um jovem negro se prepara para conhecer a família de sua namorada branca ma casa onde os pais dela moram, um lugar isolado e permeado pela natureza. A trama ganha toda a sua essência quando o jovem começa a detectar estranhos eventos naquele casa durante os dias em que está lá, desconfiando sobre a real intenção de sua presença para aquela família. ‘Corra’ é um filme delicioso, trazendo momentos arrepiantes e que ficam registrados na cabeça dos espectadores, sempre contando com saídas surpreendentes para a sua história.

 

5º – Oldboy (Chan-wook Park, 2003)Filme responsável por expandir a notoriedade do cinema sul-coreano para o resto do mundo, ‘Oldboy’ não é apenas um marco para o cenário coreano, mas, sim, para toda a indústria da sétima arte. Um novo modo de narrativa é construído por Chan-wook Park, adentrando sem medo em situações espinhosas, balançando com uma direção e edição frenéticas, atores fabulosos e uma trilha sonora que dá dinamicidade à trama.

 

4º – Assassinos por Natureza (Oliver Stone, 1994)Após uma infância cruel e difícil, Mickey e Mallory, unidos pelo simples acaso, iniciam uma onda incompreensível de assassinatos sem motivos, deixando qualquer lugar que passem em um completo estado de caos. O filme traz ao espectador a visão de ser humano como produto do meio. Aqui, em ‘Assassinos Por Natureza’, a sociedade simplesmente colhe aquilo que plantou. A obra também apresenta uma crítica à banalização da morte encontrada naquela sociedade.

Continua na Próxima Página