Top10: Dez Filmes Para Quem Ama o Cinema de Ingmar Bergman

Ingmar Bergman foi um dos grandes cineastas da história da sétima arte. Elevando um cinema único, o sueco trazia em seus filmes alguns de seus maiores medos e dilemas sobre a existência, transpondo todas as suas inquietações nos personagens de suas obras. Aqui, nesta lista, vamos trazer algo diferente, com dez opções que não são dirigidas por Bergman, mas que se utilizam de vários dos preceitos básicos do diretor em suas histórias. Vamos à lista!

 

10º – A Fita Branca (Michael Haneke, 2009)Ganhando forma em um pequeno vilarejo alemão, pouco antes da eclosão da 1ª Guerra Mundial, a história mostra a tentativa dos residentes do local de descobrir os responsáveis por estranhos e cruéis atos. Dirigido por Michael Haneke, ‘A Fita Branca’ parte de uma premissa individualista, esboçando uma figura do mal que se insere em um único indivíduo, para um ponto de vista coletivo, aterrador, denunciando o mal como algo intrínseco à nossa origem. Um grande filme, que, no entanto, cobra muito psicologicamente de seu espectador.

 

9º – Stalker (Andrei Tarkovsky, 1979)A trama conta a história de um guia, chamado de “Stalker”, que leva dois homens para um espécie de zona proibida, onde, em determinado ponto do lugar, há uma boato que desejos podem ser realizados. Obra-prima de Andrei Tarkovsky, ‘Stalker’ possui uma atmosfera única, um tanto estranha, que jamais deixa o espectador se sentir completamente confortável com o que está vendo.

 

8º – Interiores (Woody Allen, 1978)Homenagem de Woody Allen ao clássico ‘Gritos e Sussurros’, do sueco Ingmar Bergman, ‘Interiores’ traz a vida de incongruências de três irmãs que acaba eclodindo em um emaranhado de incertezas quando descobrem que seus pais estão se divorciando. Experiência catártica acerca da síntese do errático comportamento do ser humano, o filme é um deleite para os espectadores assíduos pelas semelhanças expostas nos trabalhos de Allen e Bergman.

Continua na Próxima Página