Crítica: ‘Traídos Pelo Desejo’(1992), de Neil Jordan

Contando com um roteiro bem construído e uma direção
competente, ‘Traídos Pelo Desejo’ obtêm êxito em trazer para seu espectador uma
história densa e envolvente que, apesar ter um ritmo bem dosado, consegue criar
um filme muito interessante.
A trama do filme se desenvolve em duas partes, sendo a
primeira o relacionamento entre um terrorista do IRA e um soldado sequestrado
por seu grupo e a segunda no relacionamento deste terrorista do IRA com a namorada
do soldado sequestrado. A história ganha corpo em meio aos diversos momentos de
enganações e falsas verdades que são jogadas na trama.
Na primeira parte do filme o relacionamento entre o
sequestrador e o soldado ganha conotações homossexuais. Apesar de ambos ali
demonstrarem e dizerem todo o seu afeto sexual pelas mulheres, acaba surgindo
uma química e tensão sexual invisíveis no ar. Toda essa tensão é relevante para
a segunda parte e o desfecho do filme, quando o sequestrador conhece a namorada
do soldado e desenvolve por ela afetos e é retribuído.
O roteiro não é superficial, colocando determinados itens na
história de forma discreta que podem ou não serem percebidos pelo espectador. A
psique dos personagens é muito bem construída, evidenciando o conflito entre a
realização de prazeres com as regras morais implícitas na sociedade e,
principalmente, neles próprios. ‘Traídos Pelo Desejo’ tem todos os elementos
que Pedro Almodóvar utiliza em seus filmes, poderíamos facilmente confundir com
um de seus filmes se este não tivesse uma direção melancólica e soturna.
A parte técnica do filme também é de qualidade. O comando da
direção é entregue a Neil Jordan e ele faz um trabalho positivo aqui.
Adequando-se ao roteiro, Jordan consegue ser sutil no momento certo, não
deixando as cenas revelarem mais do que é esperado. O diretor também consegue
criar uma atmosfera decadente no filme, evidenciando a vida de cada personagem
inserido ali. A fotografia fria de Ian Wilson
também segue o ritmo proposto pelo diretor.
Temos com o papel de protagonista Stephen Rea, que entrega uma performance convincente e
soturna no papel do terrorista. O resto do elenco acaba não tendo a mesma
desenvoltura de Rea, mas nada que venha comprometer o andamento do longa.
‘Traídos Pelo Desejo’ é um thriller sufocante que consegue
prender o espectador do primeiro ao último minuto das quase duas horas de
duração. Pecando um pouco talvez na falta de uma edição mais dinâmica, o filme
alcança sucesso por explorar as motivações e conflitos que cada personagem
vive. Apesar do elenco limitado, Neil Jordan consegue tirar ao máximo de seu
protagonista, compensando os outros elementos.
Nota CI: 6,6 Nota IMDB: 7,3
Filmografia:
TRAÍDOS Pelo Desejo. Direção: Neil Jordan.
1992. 112 min. Título Original: The Crying Game.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *