Crítica: ‘Cenas de Uma Família’(1990), de James Ivory

James Ivory tem uma capacidade única em retratar a primeira metade do século XX, época onde se situa a grande parte de sua filmografia. A riqueza de detalhes presentes em seus filmes é seu grande diferencial. O modo de se agir e pensar das pessoas ali inseridas, o ambiente que as permeia, tudo é colocado em suas obras com extrema cautela e carinho. E todos esses elementos estão presentes em ‘Cenas de Uma Família’. Um filme sagaz, por vezes lento, que estuda a vida de um homem defasado para sua época e sua convivência turbulenta com sua esposa e filhos.

Baseada nos romances de Evan S. Connell, a história do filme se passa durante a 2ª Guerra Mundial, contando a história de Walter Bridge, um homem conservador, extremamente ligado as suas crenças morais e éticas, de uma classe social elevada, que acaba por nutrir no relacionamento com sua família uma postura rígida. A trama ganha força quando o controle imposto a seus filhos começa a se dissipar e sua esposa se revolta pela maneira de como o marido a trata.

A figura de Walter Bridge está longe de ser malévola. Não. Muito pelo contrário, vemos um homem que apenas conhece uma realidade. Sua vida, seu sucesso e sua satisfação diária ao acordar se deve única e exclusivamente a seu jeito de se portar, de como o homem conduz sua vida. Os avanços impostos pela sociedade, propagando uma aura liberal nas pessoas ali inseridas, acaba afetando diretamente o homem. Walter parece se ressentir da perda progressiva de seu modelo de vida tradicional, tentando agarrar-se em todos os elementos que lhe são familiares a sua volta. O homem não é compreendido nem mesmo pelas pessoas de sua idade, sendo tido como uma espécie de múmia nos seus círculos de relacionamentos sejam eles profissionais ou pessoais.

A revolta de sua esposa pelo modo de como o marido a trata, não só no atual momento, mas durante toda sua vida, acaba consternando o homem. Walter então decide empreender um tempo maior na companhia de sua esposa para tentar salvar seu casamento.

O roteiro adaptado por Ruth Prawer Jhabvala é bom, mas perde um pouco de seu brilho em determinadas cenas onde os diálogos acabam não saindo do lugar, propiciando ao espectador cenas arrastadas, onde nem mesmo a boa direção de Ivory consegue salvar.

A direção do filme é muito boa. James Ivory consegue entregar uma obra contemplativa, onde toda a atmosfera do filme é criada envolta do personagem principal. A direção está longe de ser uma das melhores da carreira de Ivory, mas aqui está presente todos os elementos habituais dos filmes do diretor, somente trazendo mais brilho ao longa.

O elenco tem o grande Paul Newman interpretando o Walter Bridge. Newman aqui consegue trazer para a tela toda a experiência de vários anos exercendo a excelência em sua profissão, tendo uma interpretação suave, por horas discretas, sob a vida de seu personagem. Vale ainda destacar as presenças no elenco Joanne Woodward(India Bridge) e Kyra Sedgwick(Ruth Bridge), ambas muito bem no filme.

‘Cenas de Uma família’ é um filme bom que, apesar de se tornar insosso em alguns pequenos momentos, acaba entregando um material valioso para seu espectador. O filme valeria a pena pelo simples fato de ser a última grande atuação da carreira do brilhante Paul Newman. Entretanto, ainda temos James Ivory entregando a nós um filme que consegue com suas sutilezas tornar-se provocador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *