Crítica: ‘Duro de Matar’(1988) de John McTiernan

Temos aqui um dos melhores filmes de ação já feitos. Além de ser o maior filme natalino já realizado, superando até mesmo o célebre ‘A Felicidade Não Se Compra’(1946). O diretor John McTiernan estava extremamente inspirado durante as gravações do filme. Bruce Willis na sua primeira grande chance no cinema, nos traz sua melhor performance. E Alan Rickman. O que falar da atuação de Alan Rickman neste filme. Simplesmente o maior vilão da história do cinema. Temos aqui uma unificação de pessoas em seu melhor para premiar o espectador com filme frenético e incomparável.

A história se passa em um dia de natal, onde o policial John McClane se encontra na hora, lugar e dia errados. Indo ver sua família em outra cidade, John resolve participar antes da confraternização na empresa de sua esposa, um prédio de mais de 30 andares, chamado ‘Nakatomi Plaza’. Seria mais um dia comum se o temido vilão Hans Gruber não decidisse cometer um roubo milionário na data. Gruber e sua gangue invadem o prédio e fazem todas as pessoas reféns, menos McClane, que consegue fugir para os andares acima sem ser notado.

O que temos no transcorrer da trama é um despejo de testosterona em quantidade ilimitada. No momento em que a ação começa, ela não para até seu encerramento. O fato de a história acontecer em um prédio só dá mais charme ao longa. O trabalho de imersão feito aqui por McTiernan é fantástico. Nos sentimos, assim como nosso querido protagonista, presos naquele célebre edifício, sendo em vários momentos claustrofóbico a experiência de assistir a ele.

McTiernan faz um trabalho incrível em ‘Duro de Matar’. Os efeitos especiais do filme são impressionantes, aproveitando cada centavo de seu orçamento de $28.000.000,00. Um espetáculo pirotécnico exacerbado rege os momentos de maior tensão. O diretor já havia feito outra obra-prima da ação em seu filme anterior, o alucinante ‘O Predador’(1987), mas seu trabalho aqui é muito mais intenso.

‘Duro de Matar’ não escapa de clichês típicos do gênero, mas o fato de saber usá-los a seu favor é o que dá brilho ao filme. A união de bons profissionais em períodos inspirados faz o filme alçar voos maiores. São 131 minutos de pura ação e diversão no melhor filme de ação da década de 1980.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *