Top10: Dez Filmes Mais Influentes da Década de 1960

Esta lista conta com dez dos filmes mais influentes da década de 1960, com obras de diferentes gêneros e que propiciaram uma grande mudança na sétima arte após os seus lançamentos. São filmes que se caracterizam como verdadeiras obras-primas, trabalhando por sempre encantar o fã da sétima arte, independentemente da temática abordada. Vamos à lista!

 

10º – Psicose (Alfred Hitchcock, 1960)Após pegar uma enorme quantia da empresa em que trabalha, uma jovem inicia uma fuga pelo país. No entanto, em meio à dúvidas morais e éticas, a jovem decide passar uma noite em um hotel de beira de estrada, sem saber ali seria o local de sua morte. Obra-prima de Alfred Hitchcock, ‘Psicose’ subverte completamente os caminhos tradicionais do gênero, entregando uma trama que se fragmenta em duas vertentes distintas e irresistíveis, além de trazer um dos personagens mais surtados da sétima arte.

 

9º – Desafio do Além (Robert Wise, 1963)Na trama, um grupo de pesquisadores decide investigar a existência de fenômenos paranormais em uma mansão conhecida por eventos trágicos. Em meio ao processo de investigação, pouco a pouco, estranhos acontecimentos colocarão os integrantes daquele grupo em perigo, desafiando tudo que eles tinham como certo em suas vidas. ‘Desafio do Além’ é um filme que consegue se manter assustador mesmo após mais de 50 anos de seu lançamento. Seu estilo de terror que se aproveita de situações pontuais e cadenciadas acaba fazendo mais efeito do que uma constante exposição de cenas extremas, provocando sustos e um medo que domina os espectadores.

 

8º – Persona (Ingmar Bergman, 1966)Uma enfermeira é colocada para ficar como responsável por uma atriz que sofrera recentemente um colapso psicológico. Em completo estado de isolamento, as duas começarão a entrar em um processo catártico que alterará a forma como compreendiam a vida. ‘Persona’ trabalha com a figura da construção de máscaras sociais no ser humano, evidenciando como, às vezes, podemos vesti-las e nos esquecer de nossa própria essência.

Continua na Próxima Página

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *