Top100: Cem Filmes Que Vão Mudar a Sua Vida e a Sua História

58º – A Grande Beleza (Paolo Sorrentino, 2013)Seguiremos a vida de um jornalista italiano após ele completar 65 anos de idade, entendendo a forma do homem encarar seu dia a dia e lidar com eventuais questões existenciais que o deixam inquieto. Obra-prima do cineasta Paolo Sorrentino, ‘A Grande Beleza’ trabalha com toda a beleza contida em Roma, sempre fazendo um contraponto com o conceito de nostalgia bastante latente no personagem central.

 

57º – A Felicidade Não Se Compra (Frank Capra, 1946)Um homem, desanimado com os caminhos de sua vida, recebe a visita de um anjo que lhe mostrará como seria a vida de seus amigos e familiares se ele não existisse. Protagonizado pelo lendário James Stewart, ‘A Felicidade Não Se Compra’ mostra o fator “deveniente” da vida humana.

 

56º – A Rotina Tem Seu Encanto (Yasujirô Ozu, 1962)A vida das pessoas de um pequeno vilarejo japonês é dissecada. O intercâmbio social do lugar é o que move as pessoas ali inseridas, expondo como a simplicidade daqueles indivíduos de levar a vida. Seus hábitos são explorados, suas angústias desconstruídas e seus prazeres compartilhados. Obra-prima de Yasujirô Ozu que explicita o lado bom de viver em sociedade.

 

55º – Cantando na Chuva (Stanley Donen, 1952)Maior musical da história do cinema, ‘Cantando na Chuva’ é um filme que eleva a cada plano disposto durante os seus 103 minutos os aspectos positivos da vida. Tudo aqui trabalha por deixar o espectador feliz, com cenas antológicas e inesquecíveis.

 

54º – O Escafandro e a Borboleta (Julian Schnabel, 2007)O filme conta a história real de um editor de uma revista francesa que, em detrimento de um derrame, perde completamente os movimentos de seu corpo, ficando limitado somente aos movimentos de um olho. Irretocável, este filme alterna entre momentos felizes e tristes, explicitando uma forma de vida diferente daquela a qual estamos acostumados, sempre se pautando em uma sensibilidade ímpar.

 

53º – Primavera, Verão, Outono, Inverno… E Primavera (Ki-duk Kim, 2003)Ki-duk Kim traz um filme sobre os diferentes ciclos da vida. Aqui o diretor faz o tradicional uso do silêncio, algo incessantemente explorado em sua carreira, contrastando com as exacerbações da essência humana. Uma obra poética, com uma fotografia magistral, um roteiro conciso, atuações discretas e contundentes e uma direção impecável.

Continua na Próxima Página